Buscar
  • ADVOGADO CRIMINAL

STJ: roubo e furto se consumam no instante em que o agente se torna possuidor da coisa alheia móvel

A Quinta Turma do Superior Tribunal de Justiça (STJ) decidiu que os crimes de roubo e furto se consumam no instante em que o agente se torna possuidor da coisa alheia móvel, ainda que por pouco tempo, sendo prescindível a posse mansa, pacífica, tranquila e desvigiada do bem.


A decisão teve como relator o ministro João Otávio de Noronha:


Ementa

AGRAVO REGIMENTAL. HABEAS CORPUS SUBSTITUTIVO DE RECURSO PRÓPRIO. INADMISSIBILIDADE. CRIME DE FURTO QUALIFICADO. PRINCÍPIO DA INSIGNIFICÂNCIA. INAPLICABILIDADE. CONSTATAÇÃO DE HABITUALIDADE CRIMINOSA. VALOR DOS BENS NÃO CONSIDERADO ÍNFIMO. REPROVABILIDADE DA CONDUTA. CRIME CONSUMADO. POSSE DA COISA ALHEIA MÓVEL POR POUCO TEMPO. DECISÃO MANTIDA. 1. É inadmissível habeas corpus em substituição ao recurso próprio, também à revisão criminal, impondo-se o não conhecimento da impetração, salvo se verificada flagrante ilegalidade no ato judicial impugnado apta a ensejar a concessão da ordem de ofício. 2. A aplicação do princípio da insignificância, segundo a orientação do Supremo Tribunal Federal, demanda a verificação da lesividade mínima da conduta, apta a torná-la atípica, considerando-se: a) a mínima ofensividade da conduta do agente; b) a inexistência de periculosidade social na ação; c) o reduzido grau de reprovabilidade do comportamento; e d) a inexpressividade da lesão jurídica provocada. O Direito Penal não deve ocupar-se de condutas que, diante do desvalor do resultado produzido, não representem prejuízo relevante para o titular do bem jurídico tutelado ou para a integridade da própria ordem social. 3. Inviável a aplicação do princípio da insignificância quando constatada a habitualidade criminosa do réu, pois fica evidenciada a reprovabilidade do comportamento. 4. Inaplicável o princípio da insignificância quando o valor dos bens furtados não é considerado ínfimo por superar o parâmetro de 10% do salário mínimo vigente à época dos fatos, critério utilizado pelo STJ para aferir a relevância da lesão patrimonial. 5. “Em relação ao momento consumativo, no âmbito desta Corte e do Supremo Tribunal Federal, prevalece o entendimento de que os crimes de roubo e furto se consumam no instante em que o agente se torna possuidor da coisa alheia móvel, ainda que por pouco tempo, sendo prescindível a posse mansa, pacífica, tranquila e desvigiada do bem” (AgRg no HC 642.916/RJ, relator Ministro Felix Fischer, Quinta Turma, DJe de 31/5/2021) 6. Mantém-se a decisão agravada cujos fundamentos estão em conformidade com o entendimento do STJ sobre a matéria suscitada. 7. Agravo regimental desprovido. (AgRg no HC 625.519/SC, Rel. Ministro JOÃO OTÁVIO DE NORONHA, QUINTA TURMA, julgado em 07/12/2021, DJe 14/12/2021)


Advogado Criminalista em Santos |Advogado Criminalista em São Vicente| Advogado Criminalista em Praia Grande | Advogado Criminalista em Cubatão | Advogado Criminalista em Bertioga |Advogado Criminalista no Guarujá |Advogado Criminalista em Ilhabela |Advogado Criminalista em Iguape | Advogado Criminalista em Jacupiranga| Advogado Criminalista em São Paulo | Advogado Criminalista em Campinas| ADVOGADO EM ILHACOMPRIDA |ADVOGADO EM REGISTRO | ADVOGADO CRIMINALISTA EM ITANHAÉM |ADVOGADO CRIMINAL EM MONGAGUÁ | ADVOGADO CRIMINALISTA EM CARAGUATATUBA | ADVOGADO CRIMINALISTA EM UBATUBA | Advogados Taquarituba | Advogados Promissão | Advogados Criminais em Capão Bonito | Advogados Criminais em Cerquilho


0 visualização0 comentário