Buscar
  • ADVOGADO CRIMINAL

Golpes em meio à pandemia: idosa tem prejuízo de R$ 14 mil em Santos

A pandemia do coronavírus – Covid-19 está causando apreensão em todo o País e, mais uma vez, bandidos estão se aproveitando das dúvidas da população para aplicar golpes, pela internet e por telefone. No último dia 15, em Santos, uma idosa foi enganada por estelionatárias que se passaram por funcionárias de banco e teve R$ 14 mil de prejuízo.


De acordo com a delegada Raquel Kobashi Gallinati, presidente do Sindicato dos Delegados de Polícia do Estado de São Paulo, já foram detectados golpes que estão sendo aplicados por telefone e redes sociais, principalmente WhatsApp.


“Os marginais ficam à espreita, aguardando uma situação que seja favorável à aplicação do golpe. Com a quarentena e a desinformação que ocorre na internet pela disseminação de fake news, os estelionatários encontram o ambiente perfeito para agir, aproveitando as dúvidas das pessoas”, explica a delegada Raquel.

No caso de Santos, uma mulher telefonou para a idosa informando ser funcionária do banco e que ela teve o cartão clonado. Por conta disso, o banco bloqueou o cartão e solicitou diversas informações para a vítima.


Após conseguir os dados, por telefone, a golpista informou que mandaria uma funcionária buscar o cartão na casa da vítima, visto que ela é do grupo de risco e não deveria sair de casa para entregar o cartão clonado na agência.


Sem desconfiar de nada, a idosa abriu a porta para a suposta funcionária e entregou seu cartão. A golpista foi flagrada pelas câmeras de monitoramento do prédio entrando com o rosto coberto por uma máscara, para prevenir a transmissão do vírus.


Quando contou os fatos para o filho e ele fez o alerta de que ela foi vítima de um golpe, as marginais já haviam sacado R$ 4 mil e feito R$ 10 mil em compras com o cartão.


“Os estelionatários são convincentes, falam bem e são persuasivos”, alerta Raquel. “A principal dica é: desconfie sempre, porque sem informação, o estelionatário não consegue nada”, explica a delegada, lembrando que o golpe só é possível a partir das informações fornecidas pela própria vítima.


Conheça os principais golpes:


- Oferta de cadastro para fazer teste do coronavírus, ganhar máscaras, luvas ou álcool gel.

A vítima recebe a mensagem, que muitas vezes pode ter sido compartilhada de forma ingênua até por pessoa conhecida, com um link para clicar e fazer o cadastro. O link direciona a vítima para um site falso, onde é solicitado que ela preencha um cadastro com dados pessoais e número de celular. Nesse momento, o número é bloqueado e o estelionatário exige dinheiro para fazer o desbloqueio.


- Cadastro para receber a renda cidadã que será paga pelo Governo e pode chegar a R$ 1.200,00.

A vítima recebe um falso e-mail ou mensagem com um link para se cadastrar e receber o dinheiro. Nesse link, são solicitados os dados pessoais e do cartão bancário, inclusive o código de segurança. Quando esses dados são informados, o cartão é clonado e as informações usadas para compras pela internet.


- Pedidos de doações para hospitais filantrópicos


Por telefone, golpistas ligam para as vítimas se identificando como representantes de um hospital da região e pedindo doações, informando uma conta para depósito ou até mesmo oferecendo para retirar o dinheiro presencialmente. Normalmente esse golpe tem origem dentro das cadeias.


- Oferta de vacina contra o Covid-19


Marginais também oferecem por telefone e internet uma falsa vacina contra o coronavírus. Interessada na imunização, a vítima preenche um cadastro ou passa seu endereço por telefone para receber a dose. Quando os falsos agentes de saúde chegam, ela abre sua casa e é anunciado o roubo.


- Ligação do Ministério da Saúde


O Ministério da Saúde anunciou que está telefonando para 125 milhões de pessoas para levantar informações sobre a pandemia do coronavírus. O objetivo é identificar quem é do grupo de risco ou está com sintomas. Marginais estão simulando essa ligação para obter dados pessoais e bancários das vítimas.


A primeira característica da ligação real é que será identificado o número 136, do Disque Saúde oficial do Ministério da saúde. Se aparecer no identificador qualquer outro número, a chamada é falsa.


A ligação real também será feita por um robô, com uma voz artificial, não por um telefonista real. O robô vai perguntar somente seu nome, sua cidade, com quem você mora, se é do grupo de risco e se tem sintomas de Covid-19.


Então é só ficar atento. Se tiver uma pessoa do outro lado da linha e ela perguntar nome, endereço ou qualquer outra informação, pode é golpe.


Como prevenir?

“Desconfie sempre”, avisa Raquel. “Quando a oferta parece tentadora, é grande a chance de ser golpe. Não compartilhe nem clique em links de cadastro ou que oferecem alguma coisa”.


- Não entregue dinheiro ou transfira valores solicitados por mensagem ou ligação


- Não abra links enviados por e-mail ou aplicativos de mensagem


- Nunca faça download de software ou aplicativos de origem desconhecida e sempre verifique a fonte da informação.


Para denunciar, a delegada Raquel orienta o público a fazer o boletim de ocorrência eletrônico, visto que o atendimento presencial nas delegacias também está limitado em função do combate ao vírus, para proteção dos policiais e do público.


Em São Paulo, o endereço para fazer o boletim é https://www.delegaciaeletronica.policiacivil.sp.gov.br/ssp-de-cidadao/home.


Outros estados também possuem serviço de delegacia online e o endereço pode ser encontrado através do Google.

7 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo